Notícias

sábado, 9 de agosto de 2008

Novo administrador de Ceilândia

Novo administrador assume prometendo continuar “bom trabalho” do antecessor

O novo administrador regional de Ceilândia, o ex-comandante do 2º Batalhão da Polícia Militar de Taguatinga, tenente-coronel Leonardo Moraes, assumiu a sua nova função nesta sexta-feira (08). Durante a transmissão de cargo, pela manhã, ele garantiu que não tem pretensões políticas. “Estou atendendo a um pedido do governador José Roberto Arruda”. Admitiu que chega um pouco assustado, mas disposto a dar continuidade ao trabalho iniciado por seu antecessor, Adauri da Silva Gomes, a quem não economizou elogios.

“É um fardo administrar uma cidade deste tamanho e com este potencial, substituindo uma pessoa amiga e que conquistou 70% de aprovação da população local, graças aos trabalhos realizados durante a sua gestão”, comentou. O empenho do ex-administrador em retirar os ambulantes do centro da cidade, de forma pacífica, atendendo a uma determinação do governador, também foi exaltada por Moraes. Segundo ele, foi um ato de coragem, que fez com que Ceilândia entrasse na legalidade e ficasse com novo visual. E acrescentou: “Vou tentar me igualar a você”.

Concluindo, o paulistano, de 42 anos, destacou que quer dar continuidade ao clima de amizade que sentiu entre Adauri Gomes e os servidores. “Vou precisar da colaboração de todos, desde os mais humildes até o chefe de gabinete”, disse, assegurando que as portas de seu gabinete vão estar sempre abertas.

Boas-vindas
Depois de dar as boas-vindas e devolver os elogios a Leonardo Moraes, lembrando que ficou satisfeito ao saber que seria ele o seu sucessor -- “um amigo de longa data” --, Adauri Gomes fez um pedido especial aos servidores. “Dediquem a mesma atenção e colaboração dadas a mim, ao novo administrador. Vocês estarão contribuindo para a melhoria de Ceilândia”.

Depois de 13 meses frente à Administração Regional, Adauri afirmou que deixa o cargo, com a certeza de missão cumprida. Emocionado, disse que sente um misto de tristeza e alegria. Tristeza, por perder o convívio com os servidores, lideranças e comunidade. E, alegria, porque , segundo ele, foi um orgulho ter participado do Governo Arruda, em um momento importante, de transformação em Ceilândia. “Eu fui apenas uma parte neste processo. Cumpri a minha obrigação como servidor público. O mérito é de toda a equipe da Administração Regional”, observou.

Fonte: Administração de Ceilândia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário